“Resta-nos a canção a confundir
o silêncio das coisas no porvir...”

Poesia
e Arte de André de Sena

Novas

Show do Mar Assombrado em junho

O Mar Assombrado irá tocar no próximo dia 7 de junho, no bar Apolo 17, no Recife Antigo,... Leia mais

6ª Jornada de Estudos Medievais e Renascentistas confirmada!

Está confirmada a 6ª edição da Jornada de Estudos Medievais e Renascentistas, organizada... Leia mais

9º Clif-PE com data marcada

O 9º Congresso de Literatura Fantástica de Pernambuco (9º Clif-PE) já está com data marcada: ... Leia mais

Livro Literatura fantástica e contos de fadas será lançado em maio de 2019

A sair pela Edufpe, o livro Literatura fantástica e contos de fadas está previsto para ser lançado ... Leia mais

Mar Assombrado em estúdio para lançar seu terceiro álbum

O grupo de rock progressivo recifense Mar Assombrado conclui o ano de 2018 trabalhando no estúdio Carranca em... Leia mais

Alguma poesia

Riso crescente

Diabólico riso a noite traz,
sorriso lácteo em meio à brisa escura.
Nem as nuvens demovem-no; mordaz,
gargalha à feia morte e à formosura.

Dos cínicos, a sátira desfaz
o sorriso de prata das alturas.
E, tocando o bordão das coisas más,
o astro sorri de nossas desventuras.

Se além da escuridão rosto não vejo,
ouço a sinistra lua que consola
com seus loucos e mágicos arpejos.

Tudo é risível! Tudo é pequeneza!
A virtude profunda se estiola
no imenso gargalhar da Natureza!

Proteu

Ergo a vista ao profundo céu agora
onde, no ar, digladiam mil brancas hostes,
retrato do que és e do que foste,
erguendo as mãos ao sangue das auroras.

Não somos mais os mesmos, os de outrora
(resta-nos a canção a confundir
o silêncio das coisas no porvir),
o vento leva as nuvens sem demora.

Quando os anjos da morte ressoarem
as pútridas cornetas pelos ares
e em teu batel vagares mansamente

o cintilante dorso da onda ausente,
contempla a natureza e te desfaz,
mudaste sempre, sempre mudarás.

Sob a lua vagueia

Sob a lua vagueia estranha corte,
heróis em armas, pálidos aedos,
brancas donzelas saltam do arvoredo
e, em fúria, os lobos uivam para a morte.

“Quem sois, visões etéreas sob olmedos?” –
no campo lhes gritei em meu transporte –
“Conduzireis aonde o altivo porte?”
Silêncio… e o vento canta nos rochedos.

E quis me aproximar, seguir meu fado,
então um velho rei paramentado
bradou: “Somos o exército dos sonhos,

afastai-vos, mortal, pela outra via!”
– “Mas no altar eu comungo da Poesia!”,
disse, e o rei acedeu co’o olhar tristonho.




Leia mais

André de Sena

Poeta, escritor e músico nascido em Recife em 26 de novembro de 1975, André de Sena filia-se, na prosa literária, a diversas tradições e modalidades imaginativas setecentistas e oitocentistas; na poesia, a um universo pessoal, mas também intertextual, que tem como base o onírico, o simbólico, o imanentista; na música, às linhagens do rock, do progressivo, do experimentalismo.